Uma família de artistas

Fandango em Curitiba 03 O fandango paranaense continua vivo, não por graça e empenho dos folcloristas acadêmicos, mas pelo dinâmico esforço dos próprios caiçaras, através dos velhos mestres e seus descendentes, como a Família Pereira, de Guaraqueçaba, e jovens caiçaras como José Muniz, também de Guaraqueçaba, e Aorélio Domingues, da Ilha dos Valadares, em Paranaguá. Desses, Aorélio é o mais proeminente, porque conseguiu tirar do fandango e da cultura caiçara o limbo de preconceito com que sempre foi tratado para alçá-lo a um lugar de destaque e de reconhecido valor cultural.

O trabalho desenvolvido por Aorelio Domingues, na Casa Mandicuera e junto às comunidades caiçaras do litoral paranaense foi reconhecido como um dos mais importantes da cultura popular brasileira. Aorélio foi um dos que lutaram bravamente para que o Fandango fosse tombado como Patrimônio Imaterial do Brasil e agora recebe o título de Salvaguardador de Culturas Tradicionais, em âmbito internacional. Foi, ainda, convidado para participar do encontro de Violas de arame em Portugal onde tocará  juntamente com grandes músicos violeiros do Brasil e de Portugal, que acontece de 22 de abril a 1º de maio.

 No meio de tudo isso, ainda participa da Folia do Divino Espírito Santo, que vai levar as bandeiras para as comunidades litorâneas a partir do dia 5 de abril e ainda volta de Portugal para encerrar a Festa do Divino, em Paranaguá.

Mariana e as GêmeasMas Aorélio não está só. Tem o apoio integral de sua linda família (a mãe Dona Aliete, a companheira de arte e de vida, a premiadíssima atriz a artista visual Mariana Zanete, as filhas Luma e Malu (na foto acima, com Mariana), o incansável artesão Poro de Jesus, Mestre Zeca Martins, que sempre o acompanha tocando rabeca e ensinando fandango aos jovens na Casa Mandicuera, os meninos dançarinos, Tamise Fernandes Alves, Lenon Rodrigo, Elyson Domingues e Paulo Henrique, os irmãos violeiros Miguel (Mamangava) e Darci Martins (entre outros e outras que não cito e peço perdão pela falha da memória), mas que formam uma grande e talentosa família a preservar e enriquecer a cultura caiçara do Paraná.

 

Anúncios

3 pensamentos sobre “Uma família de artistas

  1. Aorélio, seu grupo e seus seguidores têm minha admiração , graças a pessoas como vocês que nossa cultura ainda sobrevive

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s